DUBAI, 30 de outubro de 2018 (WAM) – A Universidade Inteligente Hamdan bin Mohammed (HBMSU) anunciou a conclusão dos preparativos para o lançamento da Conferência China-EAU sobre Financiamento Bancário e Finanças Islâmico, CUCIBF III, pelo terceiro ano consecutivo sob o tema “O potencial da economia participativa e do sistema financeiro: crescimento, desenvolvimento, integração e cooperação”.

A conferência, marcada para 7 e 8 de novembro de 2018, visa fortalecer o intercâmbio de conhecimentos, civilizacionais, culturais e econômicos com a China. O evento é um marco importante na consolidação dos esforços para apoiar o financiamento islâmico entre os Emirados Árabes Unidos e a China, destacando o interesse compartilhado de ambas as partes em empregar o modelo de economia islâmica para alcançar os objetivos da iniciativa One Belt, One Road em ressuscitar a economia global e direcioná-la para um desenvolvimento abrangente e sustentável.

A conferência é o resultado da cooperação entre o Ministério da Economia dos Emirados Árabes Unidos; O Centro de Dubai para Operações Bancárias e Finanças Islâmicas da HBMSU; Centro de Desenvolvimento da Economia Islâmica de Dubai; China Islamic Finance Club; ZhiShang Inter-Culture Communication; e Thomson Reuters como um parceiro de conhecimento.

O CUCIBF III será um grande passo para a realização da visão do xeque Mohammed bin Rashid Al Maktoum, vice-presidente dos Emirados Árabes Unidos, primeiro-ministro e governante de Dubai, para estabelecer Dubai como a capital global da economia islâmica.

A conferência é também um reflexo das diretivas do xeque Hamdan bin Mohammed Rashid Al Maktoum, príncipe herdeiro de Dubai, presidente do Conselho Executivo de Dubai e supervisor geral da estratégia Dubai da Capital da Economia Islâmica, que recentemente lançou a Semana Econômica Islâmica. Promover um diálogo eficaz sobre alternativas para promover o crescimento e a sustentabilidade da economia islâmica.

A posição de Dubai como um ator importante e influente no mapa da economia global complementa o sistema da economia islâmica, que deve crescer oito por cento anualmente para alcançar US $ 3 trilhões até 2023.

A agenda da conferência incluirá discussões aprofundadas sobre formas de melhorar a integração financeira e econômica; fortalecimento dos laços históricos e econômicos entre a China e os mercados do sul e leste da Ásia e do Oriente Médio; bem como as perspectivas de investimento nas finanças islâmicas, que servem os fortes laços econômicos entre os EAU e a China. (#Envolverde)

O post Conferência China-Emirados Árabes Unidos sobre Bancos e Finanças Islâmicos vai começar em novembro apareceu primeiro em Envolverde - Revista Digital.