RIO DE JANEIRO,  (IPS) – “Existem mais de 50 países com leis discriminatórias contra as pessoas afetadas pela hanseníase, e há muita discriminação também na administração do Estado e na sociedade”, disse em entrevista à IPS Alice Cruz, relatora especial das Nações Unidas para a eliminação da discriminação contra as pessoas afetadas pela hanseníase e suas famílias.

A relatora especial, de origem portuguesa, foi uma das participantes especiais do I Encontro Latino-Americano e Caribenho de Entidades de Pessoas Afetadas pela Doença de Hansen, também conhecida como lepra, realizado entre os dias 12 e 14 de março, na cidade brasileira do Rio de Janeiro.