NAÇÕES UNIDAS, 11 de fevereiro de 2020 (IPS) É necessário focalizar a situação inesquecível de mulheres e meninas que vivem em áreas de conflito e, em particular, apoiá-las com serviços de saúde sexual e reprodutiva, exigidos em um plano de ação humanitário 2020, a agência da ONU para a população.

Atualmente, existem mais de 168 milhões de pessoas que precisam de ajuda financeira no mundo, disse o Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA) na quinta-feira, dando uma imagem da situação. O fundo projeta que, durante este ano, 45 milhões de mulheres e meninas serão afetadas por seus direitos devido a algum tipo de conflito.

Para mulheres e meninas, os direitos à saúde sexual e reprodutiva muitas vezes se tornaram um problema secundário em situações de crise, mas especialistas dizem que é hora de torná-los uma preocupação primária.

Segundo o UNFPA, para isso, é necessário um financiamento de 683 milhões de dólares, conforme destacado no plano divulgado na quinta-feira 6.

“Esses tipos de serviços há muito são esquecidos”, disse à IPS Arthur Erken, diretor da Divisão de Comunicações e Parcerias Estratégicas do UNFPA. “Não deve ser uma ideia que seja última, deve ser parte integrante de (toda a preocupação)”, acrescentou.

“Estamos focando nas mulheres e no que elas estão passando, porque estão na linha de frente”, disse à IPS Ann Erb Leoncavallo, do UNFPA. “Eles estão tentando cuidar de seus filhos, estão grávidas, estão tendo bebês, estão sendo bombardeados, sofrem inundações, água sobe, muitas outras coisas”, disse ele.

Leoncavallo acrescentou que muitas das mulheres em áreas de conflito podem liderar famílias monoparentais ou ter seu próprio trauma. “Eles ficam deprimidos, ficam traumatizados porque enfrentam um aumento na violência de gênero”, disse ele.

Os US $ 683 milhões serão utilizados para esforços em prol dos direitos à saúde sexual e reprodutiva das mulheres em 57 países, dos quais cerca de 300 milhões serão destinados a projetos do UNFPA em países como Síria, Iêmen, Iraque, Sudão e Somália. .

Para ajudar as mulheres a procurar ajuda, desaprender sua vergonha e estigma, o UNFPA está atualmente trabalhando com “espaços seguros para mulheres e meninas”, onde podem fazer uma pausa em seus ambientes hostis e atividades diárias.

Nesses espaços seguros, estabelecidos, por exemplo, nos campos de refugiados, as mulheres podem conhecer outras pessoas, compartilhar experiências, relaxar e ter um ambiente seguro para discutir sua situação e pedir ajuda, explicou Erken.

O objetivo de criar espaços nos quais os homens não podem entrar, explicou, é prestar muita atenção às mulheres, proporcionando-lhes um local onde elas possam se sentir calmas e obter serviços de consultoria sobre os assuntos que lhes dizem respeito.

Algo também importante, explicou o funcionário do UNFPA, é que a mulher não sofre estigma quando vai a esses espaços, como foi percebido nos campos de refugiados na Jordânia que possuem essas instalações.

Além disso, para manter a privacidade, os prestadores de serviços especiais das mulheres as visitam quando seus filhos estão na escola e seus maridos estão ocupados em outro lugar.

Afrah Thabet al Ademi, médica do UNFPA no Iêmen, que trabalha com mulheres que escaparam do conflito naquele país árabe, diz que a educação tem um papel a desempenhar na “desvalorização” desses serviços para a população refugiada.

De fato, o Fundo solicita não menos de US $ 100,5 milhões especificamente para o Iêmen, a maior quantia de todos os países em crise, onde se propõe a fornecer novos serviços de saúde sexual e reprodutiva para as mulheres.

“Muitas mulheres que não têm educação, se sentem agredidas e se sentem estigmatizadas se expressarem suas necessidades sobre o assunto ou no planejamento familiar”, disse Al Ademi à IPS.

O médico lembra como exemplo uma ocasião em que ela conheceu uma mulher que acabara de dar à luz e teve seu filho meio coberto com um véu. “Quando ele expôs o bebê, vi que ele o havia coberto com o papel de um material informativo, porque ele não tinha roupas para ele”, disse ele.

A partir disso, o UNFPA no Iêmen desenvolveu um kit para mães de recém-nascidos, que estará disponível para qualquer mulher que vier a dar à luz.

“Roupas para seus bebês é dar-lhes dignidade”, disse Al Ademi.

O “kit mãe”, o nome que eles deram a ele, tem roupas para o bebê, almofadas para a mãe, cobertores e fraldas, entre outras coisas para o recém-nascido e sua mãe.

O UNFPA também está alocando fundos para a República Democrática do Congo, Síria, Sudão, Bangladesh e Venezuela para ajudar na saúde sexual e reprodutiva das mulheres nesses países em diferentes crises humanitárias.

#Envolverde

O post Mulheres em áreas em crise precisam de apoio em saúde sexual e reprodutiva apareceu primeiro em Agência Envolverde.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>