Por IPS – 

Amsterdã, Holanda, (IPS) – Nos últimos dias, vimos a decisão compreensível de adiar a conferência sobre mudança climática da ONU – COP26 – que ocorrerá em novembro. Enquanto o mundo sofre com os impactos generalizados da crise do coronavírus, é a decisão certa.

O COVID-19 é uma questão global premente que está começando a prejudicar os sistemas de saúde, reduzir a produção econômica e minar os esforços para combater a pobreza e a desigualdade. São desafios que, nos próximos meses, precisarão de esforços conjuntos e colaborativos entre e dentro das nações para serem superados.

Mas o que isso significa para um dos desafios mais duradouros e universais que enfrentamos – o das mudanças climáticas? O atraso da COP26 até 2021 não significa que os esforços dos países para cumprir seus compromissos com as mudanças climáticas tenham que ser suspensos. Longe disso.

Cumprir o Acordo de Paris promete

Assim como o coronavírus, a mudança climática é uma causa significativa de resultados reduzidos para a saúde e a riqueza em todo o mundo. Sabemos que as conseqüências das mudanças climáticas continuam aumentando, impactando desproporcionalmente as comunidades que menos contribuíram para o problema das emissões de carbono, com efeitos devastadores no meio ambiente e na biodiversidade global.

Portanto, embora a reunião global da COP26 de formadores de opinião e especialistas em mudanças climáticas não ocorra neste outono na Escócia, não pode haver demora ou recuar a ambição quando se trata de ação climática. De fato, para que os países cumpram as promessas feitas no Acordo de Paris, precisamos de níveis de ambição para crescer.

Uma transição verde na recuperação do COVID-19?

Mesmo que os países se esforcem para conter e mitigar a crise do COVID-19, não podemos perder isso de vista. É por isso que a ação climática precisa ser mantida na corrente principal das discussões políticas – e até considerar como a fase de recuperação da pandemia, quando ocorre, pode ser implementada de uma maneira que apoie uma transição verde.

A Comissão Européia já foi franca, com o vice-presidente executivo Frans Timmermans afirmando em 1º de abril que, quando se trata de lidar com as mudanças climáticas, “não desaceleraremos nosso trabalho, nacional ou internacionalmente”. Essa posição é bem-vinda – e precisamos das eco das outras grandes economias do mundo.

Entrada de negócios para a solução

Os esforços dos governos para combater as mudanças climáticas precisam incluir um maior envolvimento do setor privado. As empresas têm um grande papel ajudando a reduzir as emissões de carbono e contribuindo para soluções. É por isso que as práticas de negócios sustentáveis ​​precisam estar na frente e no centro dos esforços corporativos para realinhar a maneira como operam, agora e depois da pandemia.

De fato, contribuir para a mitigação das mudanças climáticas faz sentido para as empresas, tanto do ponto de vista ambiental quanto econômico. O chamado investimento sustentável está em ascensão há algum tempo – e a atual crise está demonstrando por que os fatores ESG (ambientais, sociais e de governança) são cada vez mais importantes para os principais investidores.

Resiliência comercial, planejamento de continuidade, envolvimento da comunidade e direitos dos funcionários – todos esses riscos a serem gerenciados por ESG. Empresas responsáveis, que são transparentes em relação a suas práticas e levam a sério as obrigações para com as pessoas e o planeta, se beneficiam.

Compreender os impactos pode gerar melhorias

A GRI é a organização independente e com várias partes interessadas que fornece a estrutura de relatório de sustentabilidade mais usada, os Padrões da GRI. E durante esse período de testes, continuamos ajudando as empresas a divulgar seus impactos e apoiando os governos a colaborar com o setor privado no cumprimento dos compromissos nacionais de mudança climática.

Isso inclui o envolvimento de negócios nas Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDCs), que articulam os esforços de cada país para reduzir as emissões e se adaptar às mudanças climáticas.

Os NDCs são fundamentais para a implementação do Acordo de Paris, com todos os NDCs novos ou atualizados que precisam ser apresentados este ano. Embora reconheçamos os enormes desafios que muitos governos enfrentam como resultado do coronavírus, não podemos deixar esse cronograma escapar.

Em um espaço de tempo muito curto, o impacto do COVID-19 enviou ondas de choque ao redor do mundo. Quando se trata de mudanças climáticas, os riscos são de longo prazo, mais difusos e mais difíceis de quantificar.

No entanto, eles permanecem reais e mais voláteis do que nunca. As gerações futuras relembrarão 2020 como um ano em que a comunidade global se intensificou ou ficou aquém. Vamos garantir que este ano de crise traga o melhor de nós e não o decepcionemos.

 

Peter

Paul van de Wijs is Chief External Affairs Officer, Global Reporting Initiative

 

 

 

#Envolverde

O post Hora de elevar a ambição pela ação climática apareceu primeiro em Agência Envolverde.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>