Por Andrés Cañizález* – IPS – 

CARACAS, 7 de abril de 2020 (IPS) – Em todo o mundo, o jornalismo está passando por uma era de incertezas. Ainda não está claro qual será o modelo de negócios para o campo de notícias e isso está acontecendo precisamente no momento em que as informações são um problema central na vida de todas as pessoas.

A pandemia de coronavírus destacou as duas dimensões. Os cidadãos em confinamento preventivo consomem muito mais notícias sobre as amplas implicações do COVID-19; mas isso, por sua vez, acontece sob uma modalidade não necessariamente lucrativa para o setor de notícias. O cenário de uma recessão global pós-pandemia está provocando temores no campo dos negócios de notícias entre muitos países.

O Instituto Reuters para o Estudo do Jornalismo publicou seu relatório sobre o futuro e as principais tendências esperadas neste campo para 2020. Isso foi divulgado antes da disseminação global do coronavírus. No entanto, o documento é muito relevante, pois traça linhas importantes sobre o futuro do jornalismo.
Neste artigo, por razões de espaço, estão incluídos os aspectos mais significativos do resumo executivo – apenas a ponta do iceberg. Para os interessados ​​em mais detalhes, recomendo a leitura completa aqui.

O estudo é baseado em pesquisas aplicadas a executivos do mundo jornalístico e líderes de projetos digitais na mídia. Foram pesquisadas 233 pessoas em 32 países. Os países incluem Estados Unidos, Austrália, Quênia, África do Sul, México, Argentina e Japão.

No entanto, a maioria dos entrevistados vive na Europa: Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Áustria, Polônia, Finlândia, Noruega e Dinamarca. É muito importante não perder de vista esse fato, pois isso implica os pontos de vista das pessoas que vivem em ambientes sem problemas de conectividade, velocidade da Internet ou acesso a smartphones.

Abaixo, um olhar mais atento a alguns aspectos interessantes:

A maioria dos executivos de mídia afirma estar confiante nas perspectivas de suas empresas; mas eles têm muito menos certeza sobre o futuro do jornalismo. Esse é geralmente o caso de pesquisas: quando as pessoas são questionadas se as condições em seu país pioram, às quais costumam responder afirmativamente, a próxima coisa que dizem – inversamente – é que elas esperam uma situação pessoal melhorada.

Uma das questões importantes sobre jornalismo reside na produção de notícias locais. Há temores de perda de credibilidade afetando jornalistas e mídia em geral; e isso pode ser intensificado por ataques ao jornalismo de funcionários públicos. Além disso, pode ser que Donald Trump esteja se transformando em um modelo dessa forma de ataque para líderes populistas de qualquer persuasão ideológica em sua disputa pelo poder.

Andrés Cañizález

Intimamente relacionado ao exposto, 85% dos entrevistados concordaram que a mídia deveria fazer mais para combater notícias falsas e meias-verdades, ou seja, abordar a desinformação e ficar de olho no fato de que ela pode ser incentivada ou direcionada diretamente dos hubs do poder político.

A crise global gerada pelo coronavírus, deixando milhares de vítimas para trás, sem certeza sobre a eficácia das vacinas atualmente em avaliação, tem sido o foco da disseminação de notícias falsas. Isso não apenas aumenta em contextos de tensão política, mas também graças à incerteza que prevalece no momento.

Como o jornalismo deve ser financiado? Os proprietários de mídia ainda dependem muito das taxas de assinatura: metade deles garante que será a principal via de receita. Cerca de um terço dos entrevistados (35%) acha que a publicidade e a renda dos leitores serão igualmente importantes. Essa é uma grande mudança na mentalidade daqueles que dirigem a mídia: apenas 14% se aventuram em conseguir que operem exclusivamente em publicidade.

Sem conhecer exatamente o impacto econômico global do coronavírus, as empresas de notícias devem se preparar para o impacto direto de uma recessão maciça nos bolsos de sua base de leitores, pois, diante do dilema de pagar por notícias ou atender às necessidades básicas, podem acabar escolhendo o último.

Por outro lado, existe muita preocupação entre editores e líderes de projetos de mídia sobre o crescente poder das plataformas digitais que fornecem mídia social ao público (Facebook, Twitter, Google). Embora essa preocupação seja generalizada, não há consenso sobre que tipo de resposta deve ser dada a esse novo poder que vem se consolidando.

Teme-se que os regulamentos aprovados pelos ramos legislativo ou executivo do governo acabem prejudicando em vez de ajudar o jornalismo (25% a 18% dos entrevistados), embora a maioria considere que eles não farão uma diferença notável (56%).

2020 será o ano dos podcasts. Mais da metade dos entrevistados (53%) afirma que as iniciativas nesse campo serão importantes este ano. Outros apontam a conversão de texto em voz como uma forma de capitalizar a crescente popularidade desses formatos.

Provavelmente, veremos mais movimentos da mídia este ano para personalizar capas digitais e explorar outras formas de recomendação automática. Mais da metade dos entrevistados (52%) afirma que essas iniciativas apoiadas pela IA serão muito importantes; mas as pequenas empresas temem ficar para trás. Esse ainda é praticamente um tópico de ficção científica para leitores nos países do Hemisfério Sul.

Atrair e reter talentos é uma grande preocupação para as empresas de mídia, especialmente para os cargos de TI. Outra preocupação diz respeito à maneira pela qual as empresas estão agindo sobre a diversidade de gênero. Nesta área, 76% acreditam que estão dando passos na direção certa.

No entanto, embora haja progresso na diversidade de gênero na mídia, esse não é o caso de outras formas de diversidade – geográfica (55%), política (48%) e racial (33%). Há um progresso notavelmente menor em relação às decisões dentro das empresas de notícias e, em alguns casos, a essas questões que simplesmente não fazem parte de suas agendas.

As perspectivas para o futuro do jornalismo, em geral, são marcadas por perguntas e não por certeza. O mundo como se vê após a pandemia do COVID-19 pode desencadear ainda mais algumas dessas perguntas, sem respostas prováveis ​​a curto prazo.

*Andrés Cañizález é jornalista venezuelano e doutor em ciências políticas

Traduzido por Envolverde

#Envolverde

 

O post O futuro do jornalismo apareceu primeiro em Agência Envolverde.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>